Quero Passagem

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

PostHeaderIcon Copa Airlines terá voos diários para o Panamá a partir do novo Terminal Internacional em Confins

A partir de março, a Copa Airlines terá voos diários também na baixa temporada para o Aeroporto Internacional de Tocumen (Cidade do Panamá) saindo de Minas Gerais. Nesta sexta-feira, dia 20 de janeiro, os voos da empresa aérea no aeroporto mineiro serão transferidos do Terminal 3 para o novo Terminal Internacional em Confins. Entre outros benefícios, essa mudança possibilitará que os passageiros façam uma escala e conheçam o Panamá antes de seguir viagem rumo ao destino final, voando com a segunda companhia aérea mais pontual do mundo – de acordo com o recém-divulgado ranking da Official Airline Guide (OAG) de Londres. A Copa Airlines possui um índice de pontualidade de 88,75%. Atualmente, a companhia responde por 28,6% do movimento de voos internacionais do aeroporto. Além dessa vantagem, o novo Terminal vai reduzir para 50 minutos o tempo mínimo de conexão entre voos domésticos e internacionais. Desde 2008 atuante em Minas Gerais, a Copa Airlines possui o seu centro de operações na Cidade do Panamá, de onde estabelece conexões para mais de 60 destinos em toda a América. Confira os horários dos voos a partir de março. As rotas são operadas por modernas aeronaves Boeing 737-800 Next Generation, com 155 assentos, dos quais 14 na classe executiva.

PostHeaderIcon GOL inicia parceria com a Passaredo para voos regionais

A GOL Linhas Aéreas Inteligentes dá início hoje à venda de bilhetes nos voos da Passaredo Linhas Aéreas para nove destinos regionais: Araguaina (AUX) no Tocantins; Barreiras (BRA) e Vitória da Conquista (VDC) na Bahia; Sinop (OPS) e Rondonópolis (ROO) no Mato Grosso; São José do Rio Preto (SJP) e Ribeirão Preto (RAO) em São Paulo; Cascavel (CAC) no Paraná; e Três Lagoas (TJL) em Mato Grosso do Sul. Os trechos estarão disponíveis para viagens a partir de 9 de março. Com isso, o cliente já poderá comprar sua passagem pela GOL e, em um segundo momento, conectar os diferentes destinos domésticos G3 com os trechos operados pela Passaredo (2Z) em um único bilhete, sem a necessidade de fazer outro check-in ou despachar novamente sua mala. Hoje, a GOL transporta clientes para 18 destinos regionais* no país e com a Passaredo serão 27 cidades atendidas. “Esta parceria busca ampliar as opções dos clientes dessas localidades, trazendo ainda mais facilidade, conforto e conveniência para suas viagens a negócios ou a lazer", explica Celso Ferrer, vice-presidente de planejamento da companhia. 

Segundo o presidente da Passaredo Linhas Aéreas, Adalberto Bogsan, a parceria vem fortalecer a importância da aviação regional, beneficiando os passageiros. “Mais possibilidades e agilidade são os principais benefícios que este convênio com a GOL oferecerá aos clientes”, destaca.

 (*Caldas Novas, Campina Grande, Carajás, Caxias do Sul, Chapecó, Cruzeiro do Sul, Fernando de Noronha, Ilhéus, Joinville, Juazeiro do Norte, Juiz de Fora, Marabá, Maringá, Montes Claros, Petrolina, Presidente Prudente, Santarém e Uberlândia.)

PostHeaderIcon Azul terá novo voo diário entre Belo Horizonte e Vitória e ampliará liderança na rota

A partir de 15 de março, a Azul Linhas Aéreas Brasileiras passará a ter sete voos diários entre Belo Horizonte e Vitória, com a inclusão de uma nova ligação nesta rota. A novidade ampliará a liderança da companhia entre as capitais mineira e capixaba, além ser uma oportunidade de transportar ainda mais Clientes, uma vez que a inclusão da nova frequência significará mais de dez mil assentos semanais ofertados nesta linha. A ampla conectividade da Azul em Belo Horizonte – a capital mineira é um dos hubs da empresa – permitirá que Clientes de todo o país contem com opções em todas as faixas horárias para chegar a Vitória com apenas uma conexão e vice-versa.

PostHeaderIcon Turkish Airlines lança seu primeiro voo para Carcóvia, na Ucrânia

A Turkish Airlines passa a operar em Carcóvia (Kharkov), a segunda maior cidade da Ucrânia, a partir de 30 de março de 2017. No país, a companhia já realiza voos para Dnepropetrovsk, Kherson, Lviv, Odessa, Zaporizhia e para a capital Kiev. As tarifas de ida e volta, com embarque pelo Aeroporto de Guarulhos em São Paulo, custarão a partir de US$ 899 (valor não inclui impostos e taxas). A partir de 30 de março os voos para o Aeroporto Internacional de Carcóvia operam quatro vezes na semana, sendo às segundas, quartas, quintas e domingos e a partir de 30 de maio os voos serão diários. Nos primeiros seis meses de operação, a Turkish Airlines concederá aos membros do Miles & Smiles redução de 25% nas milhas necessárias para resgatar bilhetes de prêmio ou upgrades (a Turkish Airlines reserva-se o direito de fazer alterações a este respeito).

PostHeaderIcon Produção de Motocicletas recua ao patamar de 2002

Pelos dados divulgados pela ABRACICLO – Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares, em dezembro foram fabricadas 32.814 motocicletas, ante 50.633 unidades no mesmo período de 2015, correspondendo a uma retração de 35,2%. Sob o décimo primeiro mês, quando foram produzidas 70.320, a queda é de 53,3%, porém devem ser consideradas as habituais férias coletivas das fábricas do setor no último mês do ano. No acumulado do ano, o setor alcançou o menor patamar desde 2002 - foram produzidas 887.653 motocicletas, 29,7% a menos do que o registrado em 2015 (1.262.708). As vendas no atacado – para as concessionárias – atingiram 56.155 unidades em dezembro, recuo de 18,9% em relação ao mesmo mês de 2015, com 69.253, e queda de 5,4%, em comparação com novembro (59.372). De janeiro a dezembro foram comercializadas 858.120 motocicletas, 27,9% inferior ao mesmo período de 2015, com 1.189.933. Na contramão da tendência, as vendas externas somaram 6.402 unidades no 12º mês de 2016, contra 5.944 de dezembro 2015 e 3.957 em novembro, o que representa um crescimento de 7,7% e 61,8%, respectivamente. Entretanto, o desempenho dos últimos meses não foi suficiente para elevar os números. Nos 12 meses do ano passado foram exportadas 59.022 motocicletas, frente a 69.123 em 2015, correspondendo a uma queda de 14,6%. Ainda em dezembro, com base nos licenciamentos* registrados pelo Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam), foram emplacadas 80.837 motocicletas, volume 16,9% superior ao apresentado no mês anterior (69.122). Em relação ao mesmo mês de 2015 (107.862), houve queda de 25,1%. No acumulado do ano, a queda foi de 26,5%, passando de 1.224.597 unidades, em 2015, para 899.793, em 2016.

(*) No varejo, foram desconsiderados os ciclomotores usados, cujo licenciamento junto aos Detrans passou a ser obrigatório a partir da Lei nº 13.154, de 30/07/2015, e da Resolução Contran nº 555/15, de 17/09/2015.

“O segmento de motocicletas sofreu com as incertezas da política durante todo o ano de 2016. Diante de um mercado mais cauteloso, para 2017, o setor projeta atingir resultados semelhantes ao do ano anterior, mantendo-se estável. Além disso, a realização de eventos, como o Salão Duas Rodas, em novembro, deverá contribuir para estimular os negócios no segundo semestre”, afirma Marcos Fermanian, presidente da Abraciclo.


                                                          PROJEÇÃO 2017

                             2016                    2017                         Qtde                 Var %

Produção           887.653               910.000                     + 22.347            + 2,5%

Atacado             858.120               825.000                     - 33.120             - 3,8%

Varejo                899.793               890.000                       - 9.793             - 1,1%

Exportação          59.022                  93.000                    + 33.978             + 57,6%
quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

PostHeaderIcon Delta Air Lines firma parceria com a Confederação Brasileira de Voleibol

A Delta Air Lines é a transportadora internacional oficial da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV). A companhia aérea norte-americana irá transportar as equipes para jogos realizados fora do Brasil, incluindo para campeonatos importantes como o Circuito Mundial de Vôlei de Praia, o Grand Prix e a Liga Mundial de Vôlei. “A parceria com o CBV é outra maneira da Delta estar mais próxima dos clientes brasileiros, patrocinando um dos esportes mais populares do país”, disse Luciano Macagno, diretor da Delta para o Brasil. “Como uma companhia aérea global líder do setor, queremos que nossa marca esteja ligada aos eventos esportivos mais famosos do mundo, para que possamos compartilhar das paixões de nossos clientes junto a eles”. A Delta Air Lines terá ativações de marca promocionais durante jogos selecionados, assim como produtos exclusivos com a marca Delta para clientes e convidados especiais. “Estamos ansiosos pela parceria com a Delta para atender nossas demandas de viagens internacionais”, disse Ricardo Trade, diretor executivo da CBV. “Com a GOL como nossa parceria de viagens domésticas e agora com a Delta, todas as nossas equipes podem viajar para mais eventos por todo o mundo em 2017, conforme nos preparamos para o novo ciclo Olímpico que tem início no próximo ano”. A Delta apoia há anos os esportes mais populares nos mercados nos quais opera, incluindo basquete, beisebol e futebol americano por todo os Estados Unidos e equipes de futebol em diversos países, e agora também a confederação de voleibol no Brasil.

PostHeaderIcon Audi bate novo recorde: 1.871 milhão de entregas em 2016

A AUDI AG vendeu globalmente 1.871.350 carros em 2016, volume 3,8% maior do que o ano recorde de 2015. A empresa registrou crescimento em todas as principais regiões: na Europa (+7.6%), na América do Norte (+5.3%), com maior crescimento nos Estados Unidos (+4%), e na Ásia-Pacífico (+0.5%). Em todos os cinco dos maiores mercados individuais da marca, a Audi também vendeu mais carros do que nunca. Além disso, mundialmente, a demanda vem crescendo consecutivamente desde 2009 – ano em que foram comercializadas 949.729 unidades, ou seja, de lá para cá, a companhia quase dobrou o volume de entregas. “O ano passado provou ser mais desafiador do que a Audi esperava, com turbulências em muitos mercados-chave. Conseguimos demonstrar a força do nosso negócio, registrando crescimento equilibrado em todo o mundo”, ressalta Dietmar Voggenreiter, membro do board para Vendas e Marketing da AUDI AG. “O excelente retorno dos últimos lançamentos mostra que nossos modelos e iniciativas tecnológicas dão frutos. Em 2017 vamos continuar a avançar na renovação do portfólio de produtos e no lançamento de novos modelos”, completa. O novo A4 chegou em diversos mercados em 2016 e as vendas globais do modelo aumentaram 7,6% para 337.550 unidades. Na Europa, o A4 liderou as vendas do segmento premium, com avanço de 25,7% para cerca de 164.600 mil unidades. A atualização dos modelos mid-size da marca irá continuar neste ano em mercados internacionais com a chegada do novo A5 Coupé, que já foi lançado no mercado europeu no final de 2016. Além disso, também chega globalmente o novo A5 Sportback – que entra, por exemplo, pela primeira vez no mercado dos Estados Unidos. A segunda geração do Q7 completou sua introdução global em 2016 e registou crescimento de 43,6%, com cerca de 102.200 clientes. Com isso, as vendas do novo SUV dobraram em relação à versão anterior, atingindo mais de 100 mil unidades por ano pela primeira vez. O novo Q2 amplia a família SUV da Audi para um formato compacto próprio para uso urbano. Sua chegada ao mercado europeu no final de 2016 gerou alta demanda nas concessionárias da Audi; o modelo chegará a novos mercados em 2017. A nova geração do Q5, top-selling SUV da marca, também está prevista para este ano. O Audi Sport GmbH também foi motor de crescimento da Audi no ano passado. As vendas do novo R8, por exemplo, cresceram 31,8% para 2.890 unidades comercializadas. Toda a família R e RS ultrapassou as 20 mil unidades pela primeira vez, com crescimento de 18% para cerca de 20.200 carros. Mundialmente, a Audi teve sua gama de clientes aumentada principalmente na Europa, especialmente com o novo A4. Apesar dos inúmeros desafios políticos e econômicos da região, as vendas da empresa neste mercado cresceram 7,6%, com 860.600 carros. Em comparação às 762.949 entregas em 2014, a marca aumentou o volume de vendas em seu continente de origem, em dois anos, em 100 mil unidades. A Audi atingiu números recordes em todos os quatro maiores mercados europeus: na Alemanha (+8.6% para 293.307 carros), no Reino Unido (+6.4% para 177.565 carros), na França (+8.5% para 65.362) e Itália (+15.5% com 62.430) mais clientes do que nunca optaram pela marca em 2016. Com crescimento de 16,4%, com 51.879 unidades, a Espanha alcançou o maior crescimento de todos os principais mercados globais da Audi. Por outro lado, a recessão em curso do mercado na Rússia teve um impacto negativo nas vendas locais da Audi pelo terceiro ano, com 20.706 entregas e uma queda de 19,3%. Nos Estados Unidos, a Audi também teve bom desempenho. A marca foi a única das principais do segmento a registrar crescimento substancial em 2016: aumento de 4% para 210.213 unidades. O Q7 impulsionou as vendas da Audi of America: com a chegada da nova geração do SUV, o crescimento das vendas do modelo foi de 60.9%, com 30.563 unidades. Em todos os modelos Q, o aumento foi de 18.9%, com 100.161 carros. A Audi Canadá (+14.2% para 30.544 carros) também capitalizou a tendência SUV, e está, pela primeira vez, entre os dez maiores mercados da Audi. As condições voláteis dos mercados sul-americanos se apresentaram mais difíceis: as vendas no Brasil caíram 29,9% para 12.011 carros. Na China, a Audi ampliou suas vendas em 3,6% para 591.554 entregas. Com esse patamar, a marca segue na liderança do mercado premium chinês. Em 2016, a Audi viu surgir uma demanda no segmento de compactos: o A3 teve crescimento de 29,7% para 89.213 unidades, e o Q3 registrou 89.779 carros, com 27.6% de crescimento em relação a 2015. Atualmente, a Audi vem conquistando jovens clientes com esses modelos – em 2013, a marca foi pioneira na produção local neste então nascente segmento do mercado premium chinês. No ano passado, a companhia estabeleceu importantes bases na China para dar continuidade ao seu crescimento no mercado: em 2016 foram lançadas versões de modelos que juntas representam mais da metade das vendas totais da Audi na China. O novo A4 L começou a ser vendido nas concessionárias no outono local. No final do ano, o A6 L e-tron plug-in hybrid, que é localmente produzido, alcançou um importante marco na eletrificação da gama de veículos na China. Este ano, o Q7 e-tron está definido como um modelo de importação.