sexta-feira, 24 de setembro de 2021

Carro elétrico de quase R$ 1 milhão é atração só hoje (24) no "Veículo Elétrico Latino-Americano"


Um Porsche Taycan 4s 100% elétrico, que custa R$ 919 mil, é uma das principais atrações de hoje da exposição “Veículo Elétrico Latino-Americano”. 


Com 530 cv de potência a autonomia de 484 km, o modelo é o único da Porsche totalmente elétrico e será exposto somente hoje ao lado de um Tesla Model Y, que vale R$ 780 mil. Ambos estão sendo expostos no estande da Osten Group.

Além desses dois modelos, outros automóveis elétricos também estão expostos, como Fiat 500e, o novíssimo Peugeot e-208 GT e Nissan Leaf, entre outros. Também estão sendo apresentados diversos outros tipos de veículos elétricos, como motocicletas, scooters, bicicletas, patinetes, caminhão, ônibus, triciclos e o primeiro carro-forte elétrico do mundo.

Em sua 16ª edição, o “Veículo Elétrico Latino-Americano” poderá ser visitado pelo público hoje, até 20h, e amanhã, das 12h às 20h. A feira conta com 30 expositores.

Os visitantes também terão a oportunidade de experimentar, na prática, a tecnologia da eletromobilidade na área de testes do evento – há carros (Nissan Leaf e Renault Zoe, por exemplo), bikes, patinetes, motos e scooters à disposição do público.

SERVIÇO

Exposição “Veículo Elétrico Latino-Americano”

Praça Charles Miller

Hoje e amanhã - 12h às 20h

Para ter acesso à feira, é necessária a apresentação de passaporte da vacina ou documento físico de vacinação da Covid-19.

Na alta temporada de verão, interior de São Paulo ganha novas conexões realizadas pela Azul

O verão se aproxima e com o avanço da imunização já é possível enxergar um horizonte azul com forte retomada do turismo nacional. Essa perspectiva reflete no aumento da procura de viagens, sobretudo durante a alta temporada, e a Azul se prepara para atender a demanda de final de ano.

O interior de São Paulo terá novas ofertas de voos e destinos entre dezembro deste ano e janeiro de 2022. Com o incremento, Araçatuba terá um voo direto para Porto Seguro; São José do Rio Preto poderá se conectar com Salvador, Maceió, Natal, Recife, Porto Seguro, além de contar com mais voos para BH; Presidente Prudente contará com ligações diretas para Cuiabá, Natal, Porto Seguro e Maceió; Bauru, com Porto Seguro, Natal, e Ribeirão Preto terá frequências para Cuiabá, BH, Jericoacoara, Maceió, Recife, Porto Alegre, Natal e Porto Seguro.

“O brasileiro está ansioso para retomar a rotina de viagens, principalmente nos meses de alta temporada, como dezembro e janeiro. A oferta de novas rotas durante este período, principalmente ligando cidades do interior paulista ao Nordeste, região conhecida pelas temperaturas amenas e praias paradisíacas, fazem parte da nossa aposta para o verão. Queremos conectar as cidades paulistas a alguns destinos inéditos, com foco em mercados de lazer reforçando ainda mais nossa liderança no estado de São Paulo em número de voos e destinos. A receptividade do interior paulista a Azul e AzulViagens – operadora de turismo da companhia – se reflete em um aumento ano após ano de novos voos, destinos e equipamentos nestes mercados. Será um período favorável e enxergamos um novo horizonte que reforça a retomada do turismo”, destaca Vitor Silva, gerente de planejamento de malha.

EmbraerX e empresa do Vale do Silício se unem para acelerar o futuro da aviação agrícola autônoma

A EmbraerX, subsidiária para negócios disruptivos da Embraer, e a companhia americana do Vale do Silício Pyka anunciaram hoje uma parceria para acelerar o futuro da pulverização agrícola autônoma. A colaboração é voltada para tecnologia, certificação, operação e futura comercialização do Pelican, uma aeronave agrícola de asa fixa totalmente elétrica e autônoma, desenvolvida pela Pyka.

Utilizando ágeis processos experimentais, as empresas irão trabalhar juntas para acelerar a chegada da solução autônoma ao mercado de agricultura de precisão. A EmbraerX está comprometida a explorar produtos e serviços disruptivos que possam revolucionar os negócios, incluindo novos segmentos de atuação para a área de aviação agrícola da Embraer.

“A EmbraerX é uma aceleradora de mercado comprometida em desenvolver soluções que possam transformar o mundo e inspirar nossos parceiros por meio de ideias inovadoras, e com determinação e criatividade”, disse Daniel Moczydlower, head da EmbraerX. “A inovação e capacidade tecnológica da Pyka estão alinhadas com a nossa estratégia de acelerar a criação de novos modelos de negócios por meio de parcerias com potencial de crescimento exponencial.”

As companhias buscarão oportunidades de potencializar serviços comerciais autônomos, conforme a operação da aeronave Pelican se desenvolver no Brasil nos próximos anos. O veículo já está sendo utilizado por clientes da Pyka na América Central, com o propósito de aumentar a produtividade, eficiência de custo, segurança e sustentabilidade.


“Estamos extremamente entusiasmados em realizar parceria com uma das maiores empresas aeroespaciais do mundo, para viabilizar a nossa visão de trazer para o uso diário uma aeronave elétrica,” disse Michael Norcia, CEO e co-fundador da Pyka. “Estivemos muito focados na certificação e na entrega de uma espetacular aeronave autônoma e elétrica para servir aos nossos clientes. Agora estamos ao lado de uma líder da indústria, em um dos maiores mercados agrícolas do mundo, para ajudar a escalar o nosso negócio de aviões elétricos. Estamos ansiosos em trabalhar com a Embraer para integrar a aviação agrícola elétrica e autônoma no agronegócio e na economia em geral.”

A parceria está apoiada nos mais de 50 anos de história e experiência da Embraer em desenvolver aeronaves, certificar, fabricar, comercializar e oferecer serviços pós-venda.

Bridgestone explica qual é a hora correta para trocar os pneus

Dados do Sindipeças (Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos) apontam que a idade média da frota circulante atingiu 10 anos em 2020. Com a Semana Nacional do Trânsito acontecendo entre os dias 18 e 25, este é um dado que precisa ser bastante considerado já que manter o carro em boas condições é parte importante da boa conduta dos motoristas. Dessa forma, a Bridgestone aproveita a data para reforçar as dicas que identificam o momento correto para trocar os pneus do carro.

“Ficar atento aos sinais que o próprio pneu indica é a atitude mais correta para saber a hora certa da substituição”, comenta Roberto Ayala, Gerente de Engenharia de Vendas da Bridgestone. “Algumas variáveis como tipo de pneu, volume de carga transportada, estrada onde o veículo trafega, clima e se recebeu a manutenção correta podem influenciar o momento para a troca. Desta maneira, o principal indicativo é analisar o TWI (Tread Wear Indicator)”, explica.

O TWI são ressaltos de borracha que ficam nos sulcos dos pneus e possuem 1,6 mm de profundidade. Quando chegam ao seu limite, sinalizam que o pneu deve ser trocado, pois passou a ser considerado ‘careca’, interferindo na segurança e se tornando passível de autuação pelas autoridades de trânsito.

Caso seja necessário realizar a troca, o consumidor precisa saber a largura, a altura (ou série) e o aro, além do índice de carga e o símbolo de velocidade do pneu. Se o motorista não possuir o manual, deve entrar em contato com a montadora para obter tais informações. Caso o pneu velho seja original, é possível verificar os itens em suas laterais. Lá constam dois números separados por uma barra que indicam largura e altura. A letra indica o tipo (radial ou diagonal) e o número seguinte trata-se do aro da roda. Desta maneira, o pneu Bridgestone Turanza T005 215/45 R17 95W, por exemplo, tem 215 mm de largura de seção, e altura igual a 45% da largura de seção, é radial e é montado em rodas de aro 17 polegadas. Se não houver letra é porque ele é diagonal. O número 95 é o índice de carga. Já a letra W é o símbolo de velocidade e indica que o pneu pode ser usado à velocidade de 270 km/h.

Grand Hyatt São Paulo disponibiliza pacote divertido e lúdico para crianças

Dormir fora de casa já é uma aventura para a criançada. Agora, imaginem os pequenos podendo ter a experiência junto com uma animada festa do pijama com os seus amigos? Diversão na certa, não é mesmo? Pensando nisso, o Grand Hyatt São Paulo aderiu à essa tendência do sleepover e lança um pacote especial de Noite do Pijama.

Como uma festa mais intimista, o pacote pode ser utilizado tanto para comemorar aniversários quanto para reunir a criançada para uma noite de muitas brincadeiras e diversão, com total segurança e a vista mais incrível da capital paulista. O espaço comporta até 5 barracas, podendo receber um número máximo de 2 crianças simultaneamente.

A festa do pijama do Grand Hyatt é realizada na Suíte Diplomata, um espaço confortável de 109 m², com barracas temáticas que proporcionam ainda mais magia à comemoração, fazendo com que a noite dos pequenos seja inesquecível. A acomodação comporta até 10 crianças de até 12 anos e conta com cardápio especial, com comidinhas como salgadinhos e massa com molho branco ou vermelho com filézinho de carne e deliciosas sobremesas, preparadas exclusivamente para agradar os pequenos.

Medidas de segurança

O hotel respeita o distanciamento social nas áreas comuns e todas as medidas de segurança já aplicadas pela rede Hyatt para preservação da saúde dos hóspedes e colaboradores em seus ambientes.

Para saber sobre todos os cuidados e nossos protocolos de limpeza, acesse o link: https://www.hyatt.com/pt-PT/info/global-care-and-cleanliness-commitment

Serviço:

Noite do Pijama

Contato e informações: vendas.sp@hyatt.com

Valor: R$1.998 + taxas

Esportivo MINI Cooper celebra 60 anos de glórias


Quando Alec Issigonis desenvolveu um novo carro para a British Motor Corporation, suas prioridades eram espaço e economia de combustível. Lançado em 1959, o Austin MINI clássico conseguiu unir tudo isso. Mas ganharia um lado inesperado em setembro de 1961, quando foi lançado o primeiro MINI Cooper.

O Austin MINI clássico seguia uma proposta racional: a de oferecer o máximo de espaço possível em um compacto com pouco mais de três metros de comprimento. O motor e câmbio transversais interferiam pouco na cabine, enquanto as rodas nas extremidades abriam espaço interno para famílias. Cada cantinho era aproveitado, com enormes porta-objetos nas portas e bancos com vão inferior para se levar pequenos volumes embaixo deles. A racionalidade ganhou uma inesperada dose extra de emoção na hora que o reconhecido engenheiro/preparador/construtor de carros de corrida John Cooper decidiu modificar o carro para transformá-lo em um monstro das pistas.

Cooper tinha o toque de Midas quando o assunto era preparação. A escuderia Cooper dominava a Fórmula 1 naquele período, seguindo a vitória dos campeonatos de 1959 e 1960. Não era apenas o mérito de pilotos como Jack Brabham, Stirling Moss e Bruce McLaren. O próprio projeto dos seus monopostos era revolucionário, uma vez que usavam motor central traseiro, algo exótico em uma categoria dominada por carros de propulsor dianteiro.

Foi com o objetivo de dominar outras categorias que o mestre da engenharia se aliou ao amigo Issigonis para transformar o MINI em um gigante. Ele iniciou os trabalhos com a preparação do motor original de 848 cm³ e 34 cv de potência, que foi ampliado a 997 cm³ e passou a gerar 55 cv. Pode parecer pouco, mas temos que lembrar que o MINI Cooper pesava um pouco mais de 600 kg.

As rodas na extremidade e o pequeno entre-eixos eram aliados na hora de fazer as curvas, comportamento dinâmico que passou a ser associado ao de um kart no limite. Foi aí que nasceu o Go-Kart Feeling. A direção do MINI original já era ágil, mas se tornou ainda mais direta. O uso de homocinéticas ajudou a não perder tração ou ter movimentações indesejadas do volante. A revolucionária suspensão hidro-elástica reduzia a rolagem lateral e entregava precisão e estabilidade acima da média. Na medida para encarar circuitos de rali e competir com modelos bem maiores e mais potentes.

O MINI Cooper fez história não apenas pelas conquistas, mas também pelas vitórias de duas mulheres muito especiais: as britânicas Pat Moss, irmã do lendário Stirling Moss, e Ann Wisdom. As conquistas de 1962 na Copa das Damas, a categoria feminina do Rali de Monte Carlo, e no Rali da Tulipa, na Holanda, foram as primeiras vitórias obtidas por mulheres na categoria. A dupla ainda venceria os Ralis da Alemanha e de Sderström, na Suécia. Curiosamente, Wisdom participou das provas enquanto estava grávida.

John Cooper logo criaria uma versão MINI Cooper S. O motor passou a ter 1.071 cm³ e rendia 70 cv. Foi nessa época em que o predomínio do esportivo começou na série de ralis de Monte Carlo. A dupla Paddy Hopkirk e Henry Liddon ganhou o prêmio do rali em 1964. Foram eles que iniciaram a época dos Três Mosqueteiros, trio de pilotos formado pelo próprio escocês Hopkirk e pelos finlandeses Rauno Aaltonen e Timo Mäkinen.

A vitória clássica de Hopkirk foi comemorada como poucas na Inglaterra. Além de ter recebido um telegrama de parabéns do governo britânico, Hopkirk também foi agraciado com uma mensagem dos Beatles e, posteriormente, uma foto autografada dos quatro membros da banda, que dizia: "Agora você é um de nós, Paddy".

Foi em 1965 que Timo Mäkinen e Paul Easter (co-piloto) levaram o novo MINI Cooper S 1.3 de 90 cv ao título após um longo e emocionante rali. Habituado a neve, o finlandês Mäkinen foi o único piloto que não recebeu nenhuma penalidade.

Em 1966, Mäkinen, Aaltonen e Hopkirk dominaram o Rali de Monte Carlo de ponta a ponta e ganharam o pódio, porém foram desclassificados por uma suposta irregularidade nos faróis, uma das maiores polêmicas da história dos ralis. A compensação viria no ano seguinte. Aaltonen e Henry Liddon (co-piloto) faturaram o primeiro lugar. Era apenas o início de uma história que vive até hoje no MINI John Cooper Works.

John Cooper Works (JCW)

As versões John Cooper Works (JCW) estão disponíveis em três modelos no Brasil. O tradicional MINI John Cooper Works (hatch de 3 portas) tem preço sugerido de R$ 269.990 conta com motor 2,0L TwinPower turbo de 231 cv, que bastam para levá-lo de zero a 100 km/h em 6,1 segundos. O MINI John Cooper Works Clubman All4 tem preço sugerido de R$ 309.990,00, motor 2,0L TwinPower de 306 cv e faz de zero a 100 km/h em 4,9 segundos. E o MINI John Cooper Works Countryman All4, que é equipado com o mesmo motor 2,0L TwinPower Turbo de 306 cv, tem preço sugerido de R$ 329.990 e consegue fazer a mesma prova em 5,1 segundos. Três esportivos que dariam orgulho ao John Cooper.

Air France-KLM anuncia Manuel Flahault como novo diretor geral para América do Sul

O Grupo Air France-KLM anunciou Manuel Flahault como novo diretor geral para a América do Sul, baseado em São Paulo. O executivo francês liderará aproximadamente 300 colaboradores, cinco aeroportos e cerca de 40 voos semanais para a Europa a partir de Brasil, Argentina e Chile. Ele ocupará a posição de Jean-Marc Pouchol.

"Estou empolgado em me tornar parte deste grande time na América do Sul e abraçar as oportunidades que estão por vir. Ao lado deles, trabalharei próximo de nossos parceiros, como a GOL e os agentes de viagem, para proporcionar a melhor experiência aos clientes e reforçar a presença da Air France-KLM nesta região importante e estratégica. Este é um momento especial para nós, uma vez que observamos uma clara recuperação da indústria com muitas oportunidades que precisamos aproveitar e que definirão o nosso trabalho", destaca Manuel Flahault.


Essa é a segunda vez que Flahault trabalhará com países da América do Sul, uma vez que já atuou, em 2003, como diretor comercial para Argentina, Chile, Uruguai, Paraguai e Bolívia, baseado em Buenos Aires. Posteriormente, o executivo assumiu posição nos times de Vendas e Pricing na sede da Air France em Paris, até se tornar o diretor de Vendas Corporativas da Air France-KLM para a França em 2016.